quinta-feira, 2 de julho de 2009

tendências

Isto das tendências vê-se em todo o lado. Estava eu entretida a passarinhar aí pelos “aifaives” do pessoal, e reparei que existe uma quantidade enorme de gente que decidiu definir-se a si próprio com um conjunto de frases inacabadas, separadas por (algumas) vírgulas e uns (míseros) pontos finais, acreditando que um texto sem nexo os faz parecer definitivamente irreverentes, dinâmicos e donos de uma auto confiança inabalável. Regra geral são 10 ou 20 linhas, onde se misturam pastilhas elásticas, ganchos para o cabelo e jogos de cartas, com o nome do melhor amigo, do cão e do livro favorito, fala-se de praia, de relva, de amor, de fruta, que odeiam acordar cedo e adoram deitar-se tarde (isto sim, é de uma irreverência…), música, comida, sapatos, futebol, que adoram rir-se de parvoíces (uau esta é de génio!), de ver filmes e outras coisas na TV, que gostam de frio mas também do calor (sim… eu gosto de peixe mas também de carne… sou muito especial… sim…), que o inverno é chato e no verão a vida tem outra cor, que gostam de estar sozinhos mas só às vezes, de sonhar mas só se não forem pesadelos (ai Jesus…), e assim terminam de repente o seu fantástico testemunho, crentes de serem verdadeiros génios da escrita, provavelmente sem a noção de serem responsáveis pela morte de quem tentar ler aquilo tudo de seguida, em voz alta e seguindo à risca a pontuação utilizada!
(Caracois-L)

1 comentário:

Andreia disse...

por isso é que jamais me definirei num local publico.